Uma camiseta da série The Walking Dead foi retirada do estoque da rede varejista britânica Primark depois da reclamação de um cliente de que a peça de roupa conteria uma mensagem racista.

A camiseta em questão era estampada com a frase Eeny Meeny Miny Moe e um bastão de beisebol, em referência à Negan, antagonista da série.

Ian Lucraft viu o item enquanto fazia compras com sua esposa em Sheffield, na Inglaterra, e disse ter ficado absolutamente horrorizado com sua suposta mensagem de ódio racial:

Ficamos chocados ao nos deparar com uma nova camiseta com imagem e texto explicitamente racistas. Era fantasticamente ofensivo e só consigo presumir que ninguém no processo de confecção sabia o que estavam fazendo ou estavam cientes de sua mensagem subliminar.

Ian Lucraft , habitante de Sheffield, na Inglaterra, considerou a camiseta de The Walking Dead racista e conseguiu fazer com que o produto fosse removido do estoque de uma grande rede varejista.

Eeny Meeny Miny Moe é uma antiga cantiga infantil, similar ao Uni-Duni-Tê. Na versão original em inglês os primeiros versos são “Eeny Meeny Miny Moe. Catch a nigger by the toe” (algo como “Uni-Duni-Tê. Agarre um crioulo pelo dedão”, em tradução livre).

A palavra nigger é considerada um termo ofensivo para se referir a negros na língua inglesa, motivo pelo qual, atualmente, costuma ser substituída por outras palavras.

Em The Walking Dead, ao escolher um personagem para ser morto à golpes do tal bastão de beisebol envolto em arame farpado, apelidado de “Lucille”, Negan entoa uma versão de Eeny Meeny Miny Moe usando tiger (tigre) no lugar de nigger, que é a adaptação mais comum da rima hoje em dia.

No entanto, Lucraft interpretou a camiseta sob outra perspectiva:

A estampa tem um grande taco de beisebol americano envolto por arame farpado e coberto de sangue. Essa imagem remete diretamente à prática de agredir pessoas negras nos Estados Unidos. É uma ameaça direta de ataque por racismo e, se eu fosse negro e me deparasse com alguém usando essa camiseta, saberia do que se trata.

Lucraft dirigiu sua reclamação diretamente a Paul Marchant, chefe executivo da Primark, instando-o a se prevenir contra má publicidade e evitar ofender outros consumidores ao manter o produto em estoque.

Em resposta, a Primark removeu a camiseta de suas prateleiras e emitiu um pedido formal de desculpas através de um porta-voz:

A camiseta em questão é um produto licenciado de uma série de TV americana, The Walking Dead, e a frase e imagem foram tiradas diretamente da série. Qualquer ofensa causada pelo design foi completamente não intencional e a Primark pede as mais sinceras desculpas por isso.

Não é a primeira vez em que The Walking Dead se envolve em polêmicas parecidas.

A série já foi diversas vezes acusada de racismo devido a uma teoria de que, sempre que um novo personagem negro surge na série, outro personagem negro morre. Isso gerou especulações de que haveria uma espécie de cota racial específica para negros, o que foi repetidamente negado pelos produtores.

Além disso, a série também já foi acusada de homofobia após a morte de uma personagem lésbica.

http://www.geekdama.com/the-walking-dead-acusacao-homofobia-morte-personagem-lesbica/

Você acha que essas acusações são infundadas ou a camisa com a Lucille é realmente ofensiva?

Fonte: The Telegraph

Siga Geekdama nas redes sociais!