O último episódio da 4ª Temporada de The Walking Dead foi recheado de ação e momentos chocantes e muitas revelações.

O ritmo do episódio foi tão rápido que muitos provavelmente não perceberam tudo o que aconteceu.

Portanto, como complemento ao resumo do episódio, aqui estão algumas análises de vários momentos do 16º episódio, como easter eggs e complementos que enriquecem ainda mais a obra.

1 – Os gritos de ajuda

the-walking-dead-s04e16-momentos-01

Várias coisas interessantes apareceram durante a perseguição ao grupo de Rick. Uma delas é quando eles passaram perto de dois containeres e ouvem gritos de ajuda. Rick manda Daryl continuar correndo, afinal eles estavam sendo perseguidos. Talvez Rick tivesse pensado em pegar suas armas do lado de fora e planejar um retorno. Mas aqueles gritos seriam de Glenn e os outros? E de onde vieram exatamente? Dos containeres ou vagão onde eles foram presos? Será que são outros prisioneiros?

2 – As armadilhas de Rick foram um presságio de Terminus

the-walking-dead-s04e16-momentos-01

Ao longo do episódio Rick mostra para Carl e Michonne como criar armadilhas para capturarem animais. E no final das contas eles acabaram caindo como animais em uma armadilha, a de Terminus.

Esse presságio, “foreshadow” no termo em inglês, é um recurso utilizado em roteiros para apresentar previamente uma ideia que será explorada (não confundir com flashforwards).

Em uma série repleta de metáforas, esta provavelmente foi mais uma delas. Inclusive o título deste episódio, “A”, que era a letra presente no vagão em que eles foram presos, parte de uma grande cilada.

3 – Não dê nomes, para não criar vínculos

the-walking-dead-s04e16-gareth

Lembra da criação de porcos para consumo que os sobreviventes tinham na prisão, no início da 4ª Temporada? Quando Carl resolveu dar um nome para uma das porcas, (descanse em paz, Violet), Rick o instruiu a não fazer esse tipo de coisa, para evitar vínculos com os animais que eventualmente seriam abatidos. Carl levou a lição em consideração e até brigou com Lizzie para que ela não dê nomes aos zumbis.

De volta ao último episódio. Gareth ordena que todos entrem no vagão, um de cada vez. Primeiro o “líder do bando” (ringleader). Em seguida o “arqueiro”. Logo após, a “samurai”. E por último, o “garoto”. Há uma sinistra semelhança, não? Se os habitantes de Terminus são realmente canibais (e tudo indica que sim), então faz sentido eles seguirem a mesma ideia de Rick, de não criarem vínculos com seu “gado de abate”.

4 – Rick aparentemente reconheceu Tara

the-walking-dead-s04e16-momentos-01

Já foi comentado anteriormente que pode se tornar um problema o fato de Glenn ter mentido para Maggie no 15º episódio e ter falado que Tara é apenas uma pessoa que ele encontrou no meio do caminho para Terminus. E pelo visto esse caso voltará à tona na próxima temporada.

Rick definitivamente hesitou quando ela apareceu junto com os outros. Seria apenas o receio por ter encontrado pessoas novas ou ele a reconheceu?

De volta ao ataque da prisão, Tara estava ao lado de Hershel, assustada com a situação. Rick percebe sua aflição e tenta argumentar diretamente com a moça.

E se ele realmente reconheceu Tara, qual será sua reação? Ele vai entender seu ponto de vista? E quanto a Maggie e os outros? Como Glenn vai se posicionar nesta situação? E como eles vão lidar com isso, tendo ainda outros estranhos (Abraham, Eugene e Rosita) e estando presos em Terminus?

5 – Gareth é contra o desarmamento

the-walking-dead-s04e16-momentos-05

Assim que Rick e os outros chegaram em Terminus, Gareth os interrogou brevemente e solicitou que baixassem suas armas. Após serem revistados, o que ele faz? Devolve as armas para todos antes de começarem o tour! Mas por que ele fez isso?

Talvez eles estivessem tentando ganhar a confiança de Rick de forma pacífica. Algo como “não somos maus, mas também não somos idiotas”. Assim eles queriam apenas saber exatamente quais armas eles estavam portando, para terem noção do que estariam enfrentando. Algo tipo “você pode ficar armado, amigo. Mas precisamos saber exatamente o que você tem aí”.

6 – Eles certamente são canibais

the-walking-dead-s04e16-terminus-restos-humanos

Mais dois pequenos detalhes durante a perseguição. Primeiro, Rick percebe uma grande área, cercada, repleta de carcaças humanas. Não são zumbis mortos, são restos humanos previamente limpos e descartados, exatamente como os restos de gado em um matadouro.

the-walking-dead-s04e16-terminus-leite-em-po

Pouco antes de Rick entrar no vagão, ele olha para o chão e vê pacotes de leite em pó. Glenn e os outros estão sendo alimentados com isso? Seria para engordá-los para o abate?

7 – “Ele é meu”

the-walking-dead-s04e16-momentos-07

Quando Rick, totalmente fora de si, se prepara para atacar o pedófilo que estava ameaçando seu filho, ele solta a frase “ele é meu”. Os fãs dos quadrinhos certamente fizeram imediatamente a correlação com o momento semelhante que o personagem teve na obra original.

Mas esse “ele é meu” não seria também uma ironia com a regra do grupo do Joe, de “tomar para si” ou “reivindicar” tudo que encontram? Claro, seria uma ironia dos roteiristas para os telespectadores. Afinal Rick não sabia dessa regra.

Quem sabe toda essa ideia de “reivindicar” não tenha sido criada exatamente para esta cena.

Fonte: ComicBook

Você reparou em todos estes pequenos detalhes? Viu outros pontos interessantes? Comente conosco!

Ops! Lista não encontrada! Entre em contato conosco para consertarmos esta página.

Siga Geekdama nas redes sociais!