O episódio dessa semana de The Walking Dead foi um pouco acima da média do que vinha sendo apresentado na temporada, mas nada de espetacular. 

Eu acho que uma grande parte do problema da temporada é que simplesmente há episódios demais, e muitos deles se tornam um preenchimento enfadonho (e muitas vezes sem sentido) enquanto esperamos pelas coisas boas. Os produtores não pensam uma temporada de 24 episódios, eles simplesmente esticam uma história de 12 episódios. 

 O episódio desta semana, Broken Promises, dirigido por Sharat Raju  e escrito por Julia Ruchman, é muito mais fundamentado. Seguimos três enredos esta semana, com destaque para o núcleo de Negan/Maggie, que foi de longe meu favorito. 

Negan, o Beta de Maggie

Maggie no 7º episódio da 11ª temporada de The Walking Dead (S11E07 - "Promises Broken").

Maggie nunca conheceu Alfa, pegou a rebarba da guerra com os sussurradores, mas pegou com bastante facilidade todos os ensinamentos de Negan, seu Beta. 

Ela teve a ideia de usar os zumbis dessa forma depois que Negan apontou que eles dificilmente conseguiriam enfrentar os Reapers de forma realista, já que ela não teria números suficientes para isso.

Negan basicamente diz que Daryl os estava incentivando a ir para casa quando ele deu a eles todas as informações no episódio da semana passada, enquanto eles se escondiam no porão. Maggie discorda, dizendo que ela não vai deixar todos em Alexandria morrerem de fome (embora eles estejam bem com toda aquela carne de cavalo). 

Claramente, Negan tem razão quando muitos de seu grupo morreram. Chega um momento em que você tem que parar, lamber suas feridas e contar suas perdas. Mas ela insiste e então ele a faz prometer que os dois ficarão quites se ele ficar por perto. Ela diz “Nunca estaremos quites!” mas cede e aperta sua mão. 

Eles reúnem os zumbis e fazem algumas máscaras e, em seguida, Negan treina Maggie como ser uma Sussurradora confiável, tendo aprendido as melhores formas. Ela quase desiste, mas ele diz que ela apenas tem que acreditar em si mesma e ela vai conseguir isso eventualmente. Falou o Mario Sergio Cortella do pós-apocalíptico.  

Mais tarde, Negan diz a Maggie que ela está indo muito bem e eles têm uma conversa mais amigável do que o normal. Negan diz a ela que entende como é ter sua comunidade invadida e seu povo morto, finalmente se dirigindo ao outro elefante na sala: O fato de que o povo de Rick atacou Negan primeiro, invadindo uma de suas bases e matando muitos deles em seu dormir.

Isso continua sendo, para mim, uma das coisas mais terríveis que qualquer personagem fez nesta série e, na época, me fez realmente começar a pensar nos “heróis” como, não tão heróis assim. Afinal de contas, porque você coloca Negan como o pior monstro da história pelas mortes “injustificáveis”, mas Rick e seus amigos tiveram razão em fazer a chacina no posto avançados dos Salvadores, onde sim, haviam famílias. Ou por acaso a filha “adotiva” de Aaron estava na vigília naquela noite? 

Negan diz que o mundo mudou desde então. Menos pessoas para proteger, menos coisas para lutar, menos inimigos para lutar. Maggie pergunta se ele faria as coisas de forma diferente se pudesse e Negan responde à la Negan. 

Negan diz a Maggie que ele absolutamente faria as coisas de maneira diferente: ele mataria todos eles, em vez de apenas Glenn e Abraham, se pudesse fazer tudo de novo. Isso teria protegido seu povo do que acabou acontecendo no final. Você tem que ser realista sobre essas coisas. Quando Maggie pergunta por que diabos ele diria isso a ela, ele diz que a única maneira de os dois trabalharem juntos é com a honestidade radical.

O que faz esse momento funcionar tão bem é o fato de que Maggie acaba imitando os Sussurradores e suas táticas para lutar contra os Reapers. Ela está copiando um dos vilões mais diabólicos da série para proteger seu povo e conseguir a comida de que precisam. Isso realmente enfatiza o ponto de Negan, que mesmo os “bandidos” muitas vezes estão apenas tentando proteger os seus. Maggie nunca irá perdoar Negan, mas talvez isso a faça a pensar a respeito.

Então, quando vemos a imagem de Maggie em trajes de Sussurradora liderando uma enorme horda em direção a seus inimigos, mais uma vez temos que questionar a linha entre o bem e o mal, entre heroico e apenas fazer o que for preciso para manter seu povo seguro, mesmo que isso signifique assumindo as táticas de seus inimigos – ou matando apenas dois deles e mostrando misericórdia aos demais.

Commonwealth

Fake Stephanie e Eugene no 7º episódio da 11ª temporada de The Walking Dead (S11E07 - "Promises Broken").

Na nova comunidade, Eugene e os outros agora estão pagando o preço por infringir a lei. Hornsby interveio (ou é assim que eles querem que pareça) e os impediu de serem exilados. Em vez disso, Eugene, Ezekiel, Princesa e Stephanie recebem o dever de limpar zumbis como punição. 

Princesa insiste que Ezequiel vá ao médico, então, aparentemente, eles não são monitorados muito de perto e podem fazer pausas, mas não parece um trabalho divertido. 

Em um ponto, um jovem casal é escoltado por eles por alguns stormtroopers e o homem diz algo sobre como eles estão sendo levados para muito perto dos camponeses nojentos e isso tem um cheiro revoltante.  

Este é Sebastian (Teo Rapp-Olsson), filho de Pamela Milton, a líder da Comunidade e seu cidadão mais poderoso. Sebastian é um pirralho mimado e Eugene aprende isso da maneira mais difícil. 

Ele e Stephanie veem alguns zumbis dançando em seu caminho livre em direção a Sebastian e sua namorada que estão se beijando e felizmente inconscientes do perigo iminente. Então, Eugene e Stephanie correm e matam os zumbis, colocando suas próprias vidas em risco. 

Em vez de agradecê-los, Sebastian começa a pistolar por arruinar sua tarde. Quando Eugene aponta que eles acabaram de salvar suas vidas, Sebastian diz “temos um segurança para isso”, embora esse segurança não estivesse em lugar nenhum.  

Quando um zumbi se aproxima furtivamente por trás deles, Stephanie corre até ele e o lança antes que ele conquiste a namorada de Sebastian. Sangue espirra em suas roupas limpas e bonitas e ela solta um grito agudo. Mais uma vez, em vez de agradecer a Stephanie por salvar a vida de sua mulher, Sebastian a repreende: “Sua vadia estúpida!” ele grita, e Eugene dá um soco no nariz. 

Eugene não percebe quem é esse idiota, mas me pergunto se ele soubesse que teria feito algo diferente? É claro que esse cara precisa de alguns socos e provavelmente deveria ter aprendido boas maneiras quando criança. Ele agora é oficialmente o Joffrey Baratheon da série. 

Devo dizer que, embora tenham feito um bom trabalho estabelecendo-o como um novo antagonista, mesmo os pirralhos mais arrogantes provavelmente não agiriam assim depois de terem suas vidas salvas. Hornsby diz a Eugene na prisão “Você deveria salvá-lo. Se você tivesse feito isso, você seria um herói e poderia ter pedido o que quisesse!” Mas ele o salvou! Ele o salvou e foi insultado e gritou por isso. É frustrante e um pouco irreal.  

Eu teria preferido que ele apenas agisse arrogante e não agradecesse a eles, ou saísse e contasse às pessoas que foi ele quem matou os zumbis, fazendo com que Eugene ficasse irritado e o espancasse. Mas não é um grande negócio. Eles garantiram que soubéssemos que Sebastian é terrível e que já o odiamos apaixonadamente. 

Tenho para mim que Temer Hornsby esta preparando algum tipo de golpe à Pamela, e o fato de não ter nenhum segurança protegendo o menino mimado pode estar relacionado. Afinal de contas, quando que o segurança iria agir na distancia que estava o zumbi e Sebastian? 

Temos um pouco de Yumiko e seu irmão, que é preso aleatoriamente por algum motivo. Yumiko marcou uma reunião com Pamela, a quem ela prestará serviços jurídicos, mas é cancelada depois que Eugene dá um soco no nariz de Sebastian. Acho que Eugene precisará de seus serviços. 

E por ultimo. . . 

Daryl

Leah e Daryl no 7º episódio da 11ª temporada de The Walking Dead (S11E07 - "Promises Broken").

A terceira, e mais curta, das histórias gira em torno de Daryl e Leah, que estão em busca de um grupo de “dezenas de pessoas” com quem Daryl disse a Pope que estava viajando. Até agora, nenhum dos batedores Reaper os encontrou. Uma vez que eles não existem. 

Não descobrimos o que deixou Pope tão alegre na semana passada. Esta semana, ele parece putasso, ansioso para rastrear o grupo de Maggie e acabar com eles. A única estratégia de Pope parece ser “matar qualquer coisa que se mova”, o que me faz genuinamente imaginar como ele tem seguidores. Como você recruta pessoas se as mata à primeira vista? Como ele recrutou Leah e como exatamente um homem assim poderia ser “como um pai” para ela? E como ele recruta Daryl pra começo de conversa. Maluco dodói da cabeça. 

Eles encontram um cara que diz que está procurando comida para ele e sua esposa. Eu pensei que ele tivesse dito que ela estava doente, mas quando ele os leva até ela, ela está claramente ferida – e gravemente. Pope, é claro, ordenou que Leah matasse qualquer um que ela encontrar, mas ela diz ao homem para pegar seu filho e correr e nunca mais voltar. 

A mulher pede que eles acabem com seu sofrimento, mas Leah não consegue, então Daryl o faz, mostrando misericórdia para as duas mulheres ao mesmo tempo. É esse vislumbre de Leah como um ser humano mais compassivo que faz Daryl quase revelar a verdade para ela. Se não fosse por uma mensagem de Pope, acho que ele teria aberto a boca. Talvez ele faça na próxima semana. Só acho que não vai acabar bem. 

Considerações finais

A única coisa que não entendi é sobre o padre-gato, e Gabriel. Mancea é basicamente o sacerdote dos Reapers. Ele concedeu direitos funerários em um episódio anterior para um de seus irmãos caídos. Aqui ele faz algumas orações assustadoras enquanto Gabriel observava dos arbustos. Mancea quase o viu, mas foi embora – ou pelo menos fingiu que não o viu. Não tenho certeza. Gabriel fica aliviado quando não precisa atacar. 

É estranho, no entanto. Mais tarde, quando Maggie pergunta se ele encontrou alguém, ele mente e diz que não. Alguma centelha da velha fé de Gabriel reacendeu-se neste momento? A oração falou com ele de alguma forma? Eu não tenho certeza. Tudo o que sei é que Gabriel é infinitamente mais tolerável do que costumava ser e que estou curioso para saber como ele reagirá ao tipo distorcido de religião de Pope e Mancea. Na verdade era tudo que gostaria de ver. 

Houve também um momento em que Maggie e Elijah estavam pastoreando a horda que Elijah olha e vê uma zumbi negra mais velha cambaleando e começa a chorar. Esta era sua mãe ou algum outro membro da família? A irmã talvez? Não fica claro para mim. 

Este foi um momento interessante porque meio que me transportou de volta à primeira temporada, quando os zumbis eram muito mais humanos. Logo no primeiro episódio temos aquela garotinha com a boneca e zumbis que tentam abrir portas pela maçaneta e assim por diante. Há apenas mais humanidade neles ainda de alguma forma, algum lampejo de pensamento consciente. E vemos isso – pelo menos uma sombra disso – na mulher enquanto ela cambaleia ao lado deles. Não tenho certeza se sou só eu ou se outras pessoas tiveram pensamentos semelhantes, ou mesmo se foi intencional. 

No geral, gostei desse episódio. Eu gosto que eles empurraram o enredo de Maggie/Negan em águas desconhecidas, mesmo que seja apenas um mergulho bem raso neste momento, mas já é alguma coisa. Precisamos ver a história deles evoluir, o que parece estar finalmente acontecendo. 

Maggie diz a Elijah que ela “quer” manter sua promessa a Negan, o que por si só é surpreendente. Mas com um episódio intitulado “Promessas quebradas” o que podemos esperar? 

Também estou impressionado com Eugene, que continua a se tornar um personagem mais corajoso e confiante, apesar de seus vários lapsos. Parece que ele vai dar ao dono da Chilli Beas a localização de Alexandria, que é provavelmente como o próximo episódio terminará, com algum tipo de suspense enquanto a Comunidade aparece para inspecionar o assentamento. 

Nota: 7,5/10 

E você o que achou do episódio? Deixe seu comentário

Siga Geekdama - The Walking Dead Brasil nas redes sociais!