O episódio dessa semana, “Warlords” mantem a segunda parte da ultima temporada, num nível até surpreendentemente bom, para o que os produtores vinham trazendo em temporadas anteriores.

Recrutando estranhos para participar de uma comunidade? É isso que Aaron faz. É literalmente como nós o conhecemos – lembra quando o cara anteriormente calmo e descontraído apareceu e apresentou Rick Grimes sobre a ideia de Alexandria? Esse era o seu trabalho: encontrar almas rebeldes que parecem razoavelmente não loucas e oferecer-lhes refúgio seguro atrás dos muros de uma comunidade pós apocalíptica refinada.

Essas paredes foram destruídas (embora estejam sendo reconstruídas), e Aaron viu muita morte e devastação para manter o otimismo idealista que ele já teve, mas ele ainda sabe como isso funciona. Então, se ele disser que confrontar um bando de fanáticos cautelosos escondidos em uma fortaleza de um prédio é uma má ideia, talvez você devesse ouvir.

Claro, parte da diversão perversa de “Warlords” é como ele continua se dobrando, voltando no tempo para revelar outra camada da situação. E não apenas o tempo, mas o espaço – começando com Hilltop, progredindo para a Commonwealth, eventualmente até saindo para mostrar Negan e sua nova companheira de estrada, prontos para dar uma mão.

Todo mundo é puxado para o mesmo plano ferrado de Lance Hornsby (porque é claro que Hornsby é responsável por esse fiasco), mas não é até o final que todos os vários grupos se encontram, e encontramos nossos protagonistas presos dentro um prédio com um assassino instável caçando-os. Esse é um bom momento – e um retrocesso para quando The Walking Dead terminaria rotineiramente em cliffhangers, sugerindo que todos, ou pelo menos muitas pessoas, poderiam estar mortos até o final da próxima semana.

Sabemos que o plano vai dar errado, graças ao primeiro ato com Maggie. Lydia está planejando sair para se juntar à Commonwealth, porque ela está cansada de apenas sobreviver, sempre à beira da fome e do colapso. “Dói”, ela diz a Maggie, depois que a líder manda uma daquelas pep talks* de Coach de Instagram, com uma história de como a família de Maggie se defendeu de uma empresa predatória que tentava comprar a fazenda da família na esperança de inspirar a mulher mais jovem.

Mas então um cara desconhecido aparece na porta de Hilltop com um bilhete pedindo ajuda, e Lydia, Maggie e Elijah vão ajudar. (Isso é um pouco exagerado – eles não têm ideia do que estão se metendo, o que não é o Modus Operandi de Maggie) De repente, há stormtroopers mortos no meio da estrada, e um Aaron frenético correndo em direção a eles. Algo ruim aconteceu.

Aaron, Elijah, Lydia e Maggie no 13º episódio da 11ª temporada de The Walking Dead (S11E13 - "Warlords").

Depois que Aaron recruta o padre (que redescobriu sua fé) para uma suposta missão humanitária para convidar um grupo de 40 pessoas religiosas para se juntar à Commonwealth, Gabriel dá uma olhada no plano – entrar cegamente em um prédio fortemente ocupado por fanáticos – e não embarcar no plano potencialmente ruim do supervisor de Aaron, Carlson. “Sim, eu não vou fazer isso”, diz o Padre. E apesar de provar que o plano não teria chance nenhuma de sucesso, Carlson mantem-se irredutível ao planejamento.

Depois de ser ameaçado pelo líder do grupo (protagonizado por Michael Biehn, o eterno Kyle Reese de Terminator), Carlson revela suas verdadeiras intenções, matando o líder, ameaçando todos e iniciando um plano (desconhecido por Aaron e Gabriel) de executar todas as pessoas no prédio, recuperar armas para Commonwealth.

Dirigida por Loren Yaconelli, o episódio parece estar marcando o tempo na primeira metade do episódio, controlando o ritmo no inicio, cadenciando o roteiro da famosa dupla Jim Barnes e Erik Mountain. E o conforme chegamos ao meio do episódio, o ritmo vai escalonando para algo mais rápido , satisfatório e traz uma tensão eficaz que prende, para que possamos chegar a parte boa, após a reviravolta da duplicidade de Carlson.

A estrutura do roteiro também é inteligente, permitindo a Carlson uma profundidade inesperada (ele realmente não quer fazer isso, mas Hornsby apela para a estranha natureza humana do ex-assassino da CIA) que o torna um assassinato mais plausível. No momento em que ele está chutando pessoas inocentes do telhado do prédio, ele fica ainda mais perturbador pelo quão comprometido que o cara está envolvido nesse extermínio planejado em nome da vingança por soldados da Commonwealth (supostamente) assassinados.

Aaron e Toby Carlson no 13º episódio da 11ª temporada de The Walking Dead (S11E13 - "Warlords").

Está tudo correndo conforme os planos, exceto que o ex-agente da CIA não contava que o ex-professor de educação física iria atrapalhar seus planos. Negan aparece de repente, e aparentemente, não demorou muito para ele encontrar um novo grupo para se juntar, embora a ideia de que ele receberia ordens do excêntrico colecionador de crânios de seja bastante improvável.

Negan e sua nova companheira matam os stormtroopers que guardam Gabriel. A mulher tenta mexer com brio dos outros moradores (grande maioria de adolescentes assustados) do prédio lá dentro e, de repente, estamos num thriller de invasão no estilo Assaulto ao 13º Distrito (talvez Esqueceram de Mim seja uma comparação mais adequada?) Ou melhor, será, no próximo episódio.

Observações

  • Então Elijah 100% tem uma queda por Lydia, sim? “Você vai voltar, certo?” É um casal estranho devo dizer
  • A história de Maggie sobre sua família lutando contra desenvolvedores de fazendas predatórias é na verdade uma parábola muito precisa de como o capitalismo predatório funciona, de várias maneiras, desde a Starbucks fechando as cafeterias locais até, sim, fazendas familiares sendo saqueadas em nome de lucro de curto prazo.
  • Eu acho que é bom Gabriel ouvir Deus novamente, mas ainda assim, isso parecia uma mudança de personagem clássica muito abrupta de The Walking Dead . Dito isto, Gabriel sendo casca grossa com Carlson foi bem engraçado. Não estraguem o Padre Gabriel!
  • Honestamente, achei confuso a impressão dada pela garota com a foice, e o líder do prédio. Senti uma imponência muito maior pela garota, do que pelo Warlord.
  • Carlson, dizendo o que todos esperamos: “Você está cansado de viver, Lance?” Parece um personagem interessado, se bem trabalhado, na proporção certa referente à trama, pode render bons frutos. Só precisa ter cuidado com exposição excessiva do personagem, e não desgastar sua imagem vilanesca.
  • “Conhecemos este lugar melhor do que os idiotas em nossa casa.” Ok, eu retiro a comparação mais uma vez: Isso vai ser como o ato final de 007 Skyfall , não é? Um  Esqueceram de Mim ,  um pouco mais mortal.

pep talks* – é uma conversa, um discurso usado normalmente para estimular, animar, ajudar na confiança de alguém.

Nota: 7,5/10

E você, o que achou ? Deixe seu comentário

The Walking Dead S11E13

The Walking Dead S11E13

WarlordsTemporada: 11ª TemporadaEstreia: 20/03/2022Audiência: 1,79 milhõesRoteiro: Jim Barnes e Erik MountainDireção: Loren Yaconelli

Maggie, Lydia e Elijah ajudam um estranho de outra comunidade chamada Riverbend. Eles encontram Aaron, que lhes conta sobre uma missão que ele embarcou com Gabriel como emissários para a Commonwealth.

Siga Geekdama - The Walking Dead Brasil nas redes sociais!